(55) 3222 6686 - HORÁRIOS: Seg a Sex: 09:00 às 12:00 / 14:00 às 19:00 e nos Sáb das 09:00 às 13:00

Notícias

HPV para sexo masculino

A vacina contra esse vírus, antes exclusiva para as mulheres, tidas como mais suscetíveis às suas investidas, já está liberada para meninos e jovens de 9 a 26 anos.

A única defesa que o sexo masculino tinha contra esse baderneiro causador de mais da metade dos casos de câncer de pênis era a camisinha. Mesmo assim, a eficácia do preservativo chegava só a 60%. Isso ele barra apenas a invasão do micro-organismo no órgão genital. O resto do corpo ficava à mercê do menor contato com o inimigo, que pode ser transmitido mesmo sem a presença de lesões. Basta encostar na região infectada – já é suficiente. Mas essa vulnerabilidade dos homens perante o HPV está com os dias contados: a vacina contra esse vírus, antes exclusiva para as mulheres, tidas como mais suscetíveis às suas investidas, já está liberada para meninos e jovens de 9 a 26 anos.

O aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária se baseou em um estudo publicado na revista científica americana New England Journal of Medicine. Foram colhidos dados de 4065 homens entre 16 e 26 anos de idade de 18 países. As doses do imunizante foram capazes de evitar 90% das verrugas genitais, um dos estragos provocados pelo vírus.

Um estudo realizado no Brasil, no México e nos Estados Unidos aponta qua a incidência de contágio do HPV em homens entre 18 e 70 anos é de 50%. E grande parte deles nem desconfia que está contaminado. “Um indivíduo pode viver por anos com o micro-organismo na surdina e só apresentar sintomas em um momento em que as defesas ficam debilitadas”, diz o urologista Gustavo Alarcon, do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

O pior é que esse período dormente não impede sua transmissão. Muitas vezes, o malfeitor acaba sendo eliminado pelo próprio organismo, mas, em outras situações, evolui para estágios mais agressivos, como câncer de pênis, ânus e boca. Trata-se de uma verdadeira roleta-russa viral. Até existem tratamentos, mas são dolorosos, com lasers e raspagem das áreas comprometidas. A vacina poupa todo esse sofrimento, disparando uma resposta imune capaz de controlar futuras infecções e proteger o indivíduo de 40% dos tumores penianos e até 75% dos anais. Sorte deles!

A vacina age como um escudo contra quatro tipos do vírus HPV – os 6, 11, 16 e 18, justamente os mais perigosos. Ela é aplicada em três doses: a primeira na data escolhida, a segunda dois meses depois da dose inicial e a última 6 meses após a primeira dose.